Poesias Pesadas

Licença Creative Commons
O trabalho Poesias Pesadas de Marcio Jung foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em http://paginadomarcio.blogspot.com.br.

Postagem em destaque

Meus e-books à venda

Aqui estão os links para meus e-books à venda na Saraiva  por R$ 2,99 cada: www.saraiva.com.br/poesias-de-dor-e-de-alegria-de-reflexao-e-d...

terça-feira, 30 de maio de 2017

O pacto

     A raiva ensopava-me a alma pois a sorte não andava comigo e além disso havia brigado na rua e para piorar, nesta noite, o choro de um gato somado as sombras estranhas fêz-me gelar de medo e com a raiva misturada ao medo fui dormir contudo a idéia de um pacto não saía da minha mente, desta forma fui tomado por um pesadelo pavoroso. Era noite de ventania e algo perseguia-me bufando e rosnando, eu até podia sentir sua respiração e tudo isso somado as sombras criou um clima horrendo. Corri até o cemitério da velha igreja e dei de cara com um homem que tinha o rosto em carne viva e gargalhava com um machado nas mãos então parei de um pulo e senti calafrios, mudei de direção e já na estrada tropecei e caí, olhei para o chão e notei algo brilhando, era o anel de minha mãe em sua mão decepada, chorei, levantei e corri até a encruzilhada e tomado pelo cansaço parei ofegante, olhei em todas as direções e senti um alívio, o vento ressoou, então senti um toque que foi descendo pelo meu pescoço até o ombro, gelei e fiquei paralisado, chorei baixinho, implorei, agora o ser estava na minha frente, era horrendo e falou com voz grave e grotesca:
     - Não era o que queria, um pacto?
     Ergui a cabeça de sopetão e ofeguei muito, que pesadelo medonho. Então olhei para a frente e ali estava ele, chorei baixinho e implorei por minha alma.    

terça-feira, 23 de maio de 2017

Uivo do vento

O vento
zumbe,
e faz
aquele barulhão,

Me anima

Me
anima
o
pio
da
coruja,

Pelo que existe


Discute-se muito
sobre locais
inascessíveis,

aos quais
não poderemos
ir tão facilmente,

e cujos quais
não podemos
ver com a visão,

então
por isso mesmo
geram discussão,

mas não discutamos
sobre esses locais
pois não dá tempo,
precisamos de mais,

percebamos
que pra lá
talvez
só a alma vá.

O que vem e o que vai

O que vem e o que vai,
de repente não é bem
o que se quer,
mas o que se tem,

o que se passa
é o que nos atormenta
e o que se vai
é aquilo que já não presta.

Andorinha que vai

Andorinha
que vai por aí
tão sozinha
planando no ar,

domingo, 21 de maio de 2017

Terremoto Brasiliano!

Terremoto,
terremoto,
vai corroendo
tudo o que,

vai de
Brasília ao Paraná
e de Minas a Goias!

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Posicionamento do blog no Google

É com alegria que informo que o Página do Marcio já aparece na primeira página nos resultados do Google.

sábado, 6 de maio de 2017

Tão doce amor

Tão doce amor
que guardo
como uma relíquia
dentro em mim,

tão precioso
de consistência
sólida e exuberante,

te guardo,
te preservo
e te admiro.

Calabouço fantasmagórico

Calabouço
de velho
castelo

que tem
grades
rente ao solo,

Verdejante colina

Verdejante colina
por detrás dos montes
cuja qual procuro,

és bela,
tranquila
e verdejante,
um local para admirar,

Cuida

Vêm,
cuida
e deixa florescer,

não descuide
por um momento
sequer

Erro na Matrix

Acho realmente
que somos
o erro na Matrix,

aquilo que
fugiu
do controle,

pois vamos
rumo ao
precipício

sem nem mesmo
nos importarmos
com isso.

Somos incongruência,
imperfeitos
e sedentos
de uma sede infinita,

por isso
vamos
rumo ao final.

Um sonho

Um sonho
eu tive,
um sonho
experimentei,

mas dele
me lembrar
não consigo,

Antes de nós

Antes de nós
o mundo
era perfeito,

fluía,
seguia seu curso
natural rumo ao infinito,

então evoluímos
e começamos
a explorar seus recursos naturais
sem parar
e o mundo começou a chorar.

Esse choro
um dia terá fim
e nesse dia
já não teremos mais a nossa casa.

Imperfeição

Mundos
são o que
são,

imperfeitos
em sua natureza
porque mundos perfeitos
habitados por humanos
não se sustentam.

Podemos melhorá-los
mas não consertá-los.

Abraços

Abraços são bons
e ajudam
a suportar
os desalinhos desta vida,

confortam as pessoas
nesse mundo
já tão desconfortável,

O mundo atual

O mundo atual
está complicado
de se viver

pois os ânimos
estão exacerbados
ao máximo

Tarde de sábado

Uma tarde de sábado
é o dia perfeito
para pedalar

e andar
pelas paisagens
pastoris,

terça-feira, 2 de maio de 2017

Divulguem meu blog!

Olá amigos, peço à todos que divulguem meu blog de poesias para que mais brasileiros tenham a oportunidade de conhecer! Obrigado!

https://www.paginadomarcio.blogspot.com.br